Resultados da Gerdau no 1º trimestre

​- EBITDA ajustado alcança R$ 853 milhões nos três primeiros meses de 2017.

- Redução nas despesas com vendas, gerais e administrativas (SG&A) chega a 32% no 1º trimestre em relação ao mesmo período do ano passado e 18% em relação ao quarto trimestre de 2016.

- Gerdau anuncia formação de joint venture na Colômbia e, ao mesmo tempo, segue executando estratégia de focar em seus ativos com maior rentabilidade, o que resultou em R$ 441 milhões de desinvestimentos em 2017.

 

Nos três primeiros meses de 2017, a receita líquida da Gerdau foi de R$ 8,5 bilhões, uma redução de 16% em relação ao mesmo período do ano anterior devido ao efeito cambial no período sobre o desempenho das unidades no exterior e à venda das unidades na Espanha. As vendas físicas, por sua vez, alcançaram 3,6 milhões de toneladas de produtos de aço, volume 7% menor frente ao mesmo período do ano anterior. Já a produção de aço, de 4 milhões de toneladas, apresentou 3% de decréscimo.

 A geração de caixa operacional (EBITDA) consolidada ajustada, de R$ 853 milhões, foi 8% inferior perante o primeiro trimestre do ano anterior, decorrente do menor lucro bruto, parcialmente compensado pela redução de R$ 205 milhões nas despesas com vendas gerais e administrativas. Entretanto, quando comparado com o quarto trimestre de 2016, o EBITDA consolidado ajustado evoluiu 19%, cujo destaque foi o crescimento de 47% na Operação Brasil (exclui unidades de aços especiais), reflexo da melhora do mix de produtos oferecido ao mercado, entre outros fatores. De janeiro a março, o lucro líquido consolidado foi de R$ 824 milhões. No entanto, desconsiderando o evento extraordinário, a Companhia apresentou um prejuízo líquido consolidado ajustado de R$ 34 milhões, em razão do menor EBITDA no período analisado.

O resultado da Gerdau no primeiro trimestre de 2017 foi influenciado por um evento extraordinário relativo à reversão da provisão para contingência referente à exclusão do ICMS da base de cálculo das contribuições para o PIS e a COFINS, constituída de 2009 a 2016. Essa reversão foi baseada na conclusão do julgamento pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), que decidiu pela inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na referida base de cálculo, e está amparada pelo posicionamento dos assessores jurídicos da Companhia de que a probabilidade de perda nas ações em curso passou a ser remota a partir da decisão do STF. Portanto, o efeito líquido dessa reversão e de outras provisões no resultado da Companhia no trimestre foi de R$ 858 milhões.

A Gerdau enfatiza, contudo, que, existe a possibilidade de o STF entender que é necessário aplicar o mecanismo da modulação a essa decisão, a qual é utilizada para determinar os efeitos temporais de uma decisão de inconstitucionalidade. Caso o STF aplique o mecanismo da modulação, limitando os efeitos da decisão no tempo, poderá ser necessária uma reavaliação do risco de perda associado às referidas ações, com a consequente necessidade de constituição de novas provisões sobre esse tema no futuro.

"O desempenho no primeiro trimestre, excetuando o evento extraordinário, reflete o momento desafiador que a indústria mundial do aço vem enfrentando, em que se destacam o excesso de capacidade instalada e práticas de comércio desleais de alguns países no mercado global. No Brasil, acreditamos em uma evolução gradual do mercado a partir do segundo semestre de 2017. Na América do Norte, a expressiva entrada de aço importado segue impactando a rentabilidade do setor, mas as perspectivas de crescimento do mercado são positivas. Nossas prioridades para 2017 seguirão sendo a geração de fluxo de caixa livre, a seletividade de CAPEX, a redução dos indicadores de endividamento e a estratégia de focar em nossos ativos de maior rentabilidade. Neste ano, formamos uma joint venture na Colômbia e realizamos desinvestimentos no valor de R$ 441 milhões", afirma André Gerdau Johannpeter.

Ao longo do trimestre, os mercados atendidos pela Gerdau tiveram desempenhos distintos. No Brasil, as vendas para o mercado interno (não inclui as unidades produtoras de aços especiais) foram 4% inferiores em relação ao mesmo período do ano anterior e somaram 863 mil toneladas devido ao menor nível de atividade da construção civil. A redução foi parcialmente compensada pelas maiores vendas de aços planos, alinhadas à estratégia de diversificação do portfólio de produtos da Empresa. As vendas de aços planos, no primeiro trimestre de 2017, representaram 28% dos volumes vendidos no mercado interno. No período, as menores oportunidades no mercado internacional acarretaram numa redução de 22% nas exportações da Gerdau, que totalizaram 412 mil toneladas.

As operações no Canadá, nos Estados Unidos e no México (não inclui usinas de aços especiais) comercializaram 1,6 milhão de toneladas nos primeiros três meses de 2017, 3% a mais do que no mesmo período do ano passado, em razão da melhora no mercado da construção não-residencial e da indústria. Já as unidades da América do Sul (exceto Brasil) contabilizaram 489 mil toneladas vendidas, patamar 3% menor frente aos três primeiros meses de 2016. As vendas realizadas pela Operação de Negócio de Aços Especiais (incluindo usinas no Brasil, nos Estados Unidos e na Índia), por sua vez, totalizaram 441 mil toneladas, uma queda de 30% frente ao primeiro trimestre de 2016, devido à alienação das unidades da Espanha.

Joint venture na Colômbia é anunciada e desinvestimentos somam R$ 441 milhões em 2017

Em 2017, a Gerdau deu continuidade a sua estratégia de focar em seus ativos de maior rentabilidade e, de janeiro a maio, realizou desinvestimentos que totalizaram R$ 441 milhões. Em março, a Gerdau também assinou contrato para criação de uma joint venture, a partir da venda de 50% de sua participação na Gerdau Diaco, na Colômbia, com a Putney Capital Management, que já é sócia em sua operação na República Dominicana. A transação atribuiu à joint venture um valor econômico de R$ 523 milhões, sendo que a parte referente aos 50% da Gerdau soma R$ 262 milhões. A transação ainda não está concluída e, por isso, Gerdau Diaco continuou sendo reportada como empresa controlada no balanço do primeiro trimestre. Além disso, foram vendidas quatro unidades de transformação de aços especiais e cinco plantas de produtos para construção civil nos Estados Unidos, cujo valor econômico totalizou R$ 179 milhões.​

Investimentos da Gerdau alcançam R$ 237 milhões no primeiro trimestre

 No primeiro trimestre, foram desembolsados R$ 237 milhões para a realização de investimentos em ativo imobilizado (CAPEX).  Para o exercício de 2017, a previsão de desembolso de CAPEX é de R$ 1,3 bilhão, em linha com o realizado em 2016. O foco dos investimentos é a melhoria de produtividade das operações e manutenção.

 ​Gerdau não irá antecipar pagamento de dividendo neste trimestre

De janeiro a março, o lucro líquido consolidado foi de R$ 824 milhões e foi influenciado pelo evento extraordinário relativo à reversão da provisão para contingência no valor de R$ 858 milhões. Considerando a possibilidade do STF efetuar a aplicação de modulação da decisão de inconstitucionalidade de forma prospectiva, o que poderia limitar a produção dos seus efeitos para os contribuintes, a Companhia não está propondo a distribuição de dividendos em antecipação ao dividendo mínimo obrigatório neste momento, acompanhando o tema até que haja a definição pelo STF.

           

Sobre a Gerdau

A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que ampliam o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail