Resultados da Gerdau crescem com a melhora dos mercados

Vendas físicas consolidadas aumentam 32% em relação ao primeiro trimestre de 2009, alcançando 4,1 milhões de toneladas

A Gerdau encerrou o primeiro trimestre de 2010 com 32% de crescimento nas vendas físicas consolidadas em comparação com os primeiros três meses de 2009, alcançando um total de 4,1 milhões de toneladas comercializadas. Esse bom desempenho se deveu à retomada do mercado brasileiro e norte-americano e ao esforço de gestão realizado no período.

No Brasil, as vendas de aços longos para o mercado interno apresentaram 60% de expansão, impulsionadas pela maior demanda da construção civil e da indústria. Além disso, o crescimento da indústria automotiva brasileira e a recuperação das vendas de veículos nos Estados Unidos contribuíram para o incremento de 59% nos volumes comercializados no trimestre pela Operação de Aços Especiais. Diante desse cenário, a produção consolidada de aço bruto cresceu 71% frente ao período de janeiro e março do ano anterior, para 4,4 milhões de toneladas.

O faturamento bruto consolidado, por sua vez, evoluiu de R$ 7,7 bilhões para R$ 8,2 bilhões. O EBITDA consolidado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), também chamado de geração de caixa operacional, foi de R$ 1,4 bilhão, mais do que dobro em relação ao primeiro trimestre de 2009, em razão do maior volume de vendas e dos menores custos e despesas incorridos, bem como dos melhores resultados das empresas com controle compartilhado e joint ventures. A melhoria do desempenho também se refletiu na margem EBITDA, um dos principais indicadores para demonstrar a eficiência operacional da Empresa, que passou de 9% no primeiro trimestre de 2009 para 20%. O lucro líquido alcançou R$ 573 milhões contra R$ 35 milhões registrados nos três primeiros meses do ano anterior.
 
“O bom desempenho da Gerdau no primeiro trimestre reflete o aumento da demanda por aço e o contínuo esforço de gestão para ajustar, com rapidez e flexibilidade, os níveis de produção e custos aos movimentos dos mercados. Estamos preparados para atender a expansão da demanda nos próximos anos, considerando nossa capacidade instalada atual e os investimentos de R$ 9,5 bilhões programados para o período de 2010-2014. Seguiremos priorizando os países emergentes, como Brasil, Peru e Índia, e o aumento da produção própria de minério de ferro, de forma obter uma equação de custos mais competitiva perante os crescentes preços das matérias-primas”, afirma o diretor-presidente (CEO) da Gerdau, André B. Gerdau Johannpeter.
 
O custo de vendas – que envolve os custos para a produção do aço comercializado no primeiro trimestre – apresentou redução de 8% no período, resultado dos esforços de gestão realizados ao longo de 2009. A redução do custo de vendas, somada à elevação da receita, resultou na melhora da margem bruta, outro indicador financeiro importante, a qual passou de 11% no primeiro trimestre de 2009 para 20%.
 
Além disso, as despesas com vendas, gerais e administrativas apresentaram 16% de diminuição em comparação com os primeiros três meses de 2009. A dívida líquida também apresentou redução, passando de R$ 16,3 bilhões em março de 2009 para R$ 10,1 bilhões.
 
Durante o primeiro trimestre, todas as operações apresentaram crescimento nas vendas físicas. No Brasil (excluindo unidades produtoras de aços especiais), foi comercializado 1,5 milhão de toneladas, o que representa 40% de aumento em comparação com o mesmo período no ano anterior. Desse total, 1,2 milhão foi destinado ao mercado interno, uma expansão de 60% na demanda por produtos Gerdau. As exportações a partir do País, de 378 mil toneladas, mantiveram-se constantes em relação ao primeiro trimestre do ano anterior.
 
Os demais países da América Latina (exceto Brasil) somaram 546 mil toneladas comercializadas, um aumento de 12% sobre os primeiros três meses de 2009, com destaque para os mercados do Peru, Chile e Argentina. Em relação ao terremoto ocorrido no Chile, as unidades da Gerdau naquele país estão funcionando normalmente e, além disso, a Empresa está preparada para atender seus clientes com estoques disponíveis, bem como produtos enviados por outras unidades próprias. No caso do Peru, está programada a retomada das atividades do alto-forno para o mês de junho.
 
No Canadá e Estados Unidos (exceto unidades produtoras de aços especiais), houve 25% de expansão das vendas físicas, para 1,3 milhão de toneladas, em razão da melhora da demanda. Já na Operação de Negócio Aços Especiais (inclui unidades no Brasil, Estados Unidos e Espanha), foram comercializadas 634 mil toneladas, o que representa um incremento de 59% sobre o primeiro trimestre de 2009.
 
Investimentos no trimestre chegam a R$ 233 milhões
 
No primeiro trimestre, os investimentos atingiram R$ 233 milhões em desembolsos, sendo que 61% foram destinados para o Brasil e 39% para os demais países. Conforme divulgado anteriormente, estão programados investimentos de R$ 9,5 bilhões para o período 2010-2014, dos quais 80% serão direcionados para o Brasil.
 
No Brasil, destaca-se o laminador de aços planos (chapas grossas) em Ouro Branco (MG), cujo investimento, já anunciado, é de R$ 1,75 bilhão. O equipamento terá capacidade instalada de 1 milhão de toneladas por ano e o início das operações está programado para 2012. Na mesma unidade também ocorrerá a expansão da capacidade de produção de perfis estruturais, de 540 mil toneladas para 700 mil toneladas por ano, um investimento de R$ 100 milhões, o qual entrará em operação em 2011.
 
Na área de mineração, está programada a expansão da produção própria de minério de ferro em Minas Gerais, no valor de R$ 352 milhões. Em 2012, a capacidade de produção própria de minério de ferro passará para 6,6 milhões de toneladas, o que representa o atendimento de 100% da necessidade de consumo da usina integrada de Ouro Branco.
 
No País, também será ampliado o serviço de corte e dobra de vergalhões e a fabricação de produtos de aço prontos para o uso, voltados para atender a construção civil. Esses investimentos, que envolvem R$ 134 milhões, devem ser concluídos em 2011. Além disso, haverá a finalização da construção das hidrelétricas Caçu e Barra dos Coqueiros (GO), as quais entrarão em operação no primeiro semestre de 2010, com um total de155 megawatts de capacidade instalada. O investimento nas duas hidrelétricas alcança R$ 632 milhões, sendo que, desse total, ainda deverão ser desembolsados R$ 57 milhões.
 
No Peru, haverá a substituição dos dois equipamentos fornos elétricos existentes por um equipamento com tecnologia mais avançada, o qual iniciará a produção no início do segundo semestre de 2010. Essa iniciativa, cujo investimento é de R$ 67 milhões, também inclui a implantação do novo sistema de despoeiramento na aciaria, tecnologia que filtra com alta eficiência as partículas sólidas geradas na produção do aço.
 
Na Índia, serão implantados um laminador de aços especiais e de vergalhões – com capacidade instalada de 300 mil toneladas –, uma sinterização e um projeto de geração de energia, os quais envolvem R$ 88 milhões. Os equipamentos deverão iniciar produção em 2011.
 
Para a Colômbia, está programada uma instalação portuária para embarque de carvão e coque, importantes matérias-primas siderúrgicas, no valor de R$ 27 milhões.
 
Além disso, diante das boas perspectivas de crescimento do mercado interno brasileiro, a Gerdau está realizando vários estudos de investimentos, dos quais se destacam a instalação de um novo laminador de rolos, o aumento da capacidade de laminação e inspeção de aços especiais e expansões adicionais das unidades de transformação (corte e dobra de vergalhões e fabricação de produtos de aço prontos para o uso). Nos Estados Unidos, devido à gradual retomada da indústria automotiva e à diversificação dos mercados atendidos, estão em avaliação investimentos para aumento da capacidade e aprimoramento da qualidade dos produtos de aços longos especiais.
 
Pagamento de dividendos ocorrerá no dia 27 de maio
 
No dia 27 de maio, as empresas de capital aberto Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. pagarão dividendos na forma de juros sobre capital próprio relativos ao primeiro trimestre desse ano. Esse pagamento se refere à antecipação do dividendo mínimo obrigatório relativo ao exercício de 2010. Os acionistas da Gerdau S.A. receberão R$ 170 milhões (R$ 0,12 por ação), e os da Metalúrgica Gerdau S.A., R$ 65 milhões (R$ 0,16 por ação).
 
Sobre a Gerdau
 
A Gerdau é líder na produção de aços longos nas Américas e uma das maiores fornecedoras de aços longos especiais no mundo. Possui presença industrial em 14 países, com operações nas Américas, na Europa e na Ásia, as quais somam uma capacidade instalada superior a 25 milhões de toneladas de aço. É a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço. Com mais de 140 mil acionistas, as empresas de capital aberto da Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo (Bovespa: GGBR4, GGBR3, GOAU4, GOAU3 e AVIL3), Nova Iorque (Nyse: GNA, GGB), Toronto (GNA: TO), Madri (Latibex: XGGB) e Lima (BVL: SIDERC1).
 
Porto Alegre, 6 de maio de 2010. Assessoria de imprensa – imprensa@gerdau.com.br
Fones: 51 3323-2170 / www.gerdau.com.br
 
 
 
« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail