Receita líquida da Gerdau alcança R$ 42,5 bilhões em 2014

Press release

- Geração de caixa operacional (EBITDA) ajustada mantém-se constante em 2014, apesar do cenário desafiador no mercado mundial do aço.
 
A Gerdau encerrou o ano de 2014 com receita líquida consolidada de R$ 42,5 bilhões, superando em 6,7% o valor registrado no ano anterior. Esse crescimento se deveu principalmente pela expansão da receita gerada no mercado norte-americano e pelo efeito cambial positivo na conversão para a moeda brasileira da receita obtida pelas suas operações no exterior. As vendas físicas, por sua vez, somaram 17,9 milhões de toneladas, uma redução de 3,5% frente a 2013, decorrente da menor demanda por aço nos mercados do Brasil e dos demais países da América Latina. Nesse período, a produção de aço manteve-se constante em 18 milhões de toneladas.
 
A geração de caixa operacional (EBITDA) atingiu R$ 5,1 bilhões em 2014, 7,1% de expansão em relação ao exercício anterior. Esse desempenho foi influenciado positivamente pelo ganho na venda de participação acionária na empresa norte-americana Gallatin Steel por R$ 637 milhões e impactado por perdas pela não recuperabilidade de ativos na América Latina no valor de R$ 339 milhões. Excluídas ambas as operações, o EBITDA ajustado foi de R$ 4,8 bilhões, apresentando 0,9% de acréscimo frente a 2013. Já o lucro líquido teve 12,2% de redução, passando para R$ 1,5 bilhão em 2014.
 
Em relação ao desempenho da Gerdau no quarto trimestre, a receita líquida alcançou R$ 10,8 bilhões, 5,1% a mais perante o mesmo período de 2013, ao passo que as vendas físicas e a produção apresentaram redução em seus volumes. As vendas físicas foram de 4,4 milhões de toneladas (-3,4%) e a produção de aço, de 4,3 milhões de toneladas (-2,8%). De setembro a dezembro, a geração de caixa operacional (EBITDA) foi de R$ 1,5 bilhão. O EBITDA ajustado (exclui venda de participação acionária na Gallatin Steel e perdas pela não recuperabilidade de ativos na América Latina) alcançou R$ 1,2 bilhão, 9,6% a menos frente ao mesmo período do ano anterior. Já o lucro líquido chegou a R$ 393 milhões no quarto trimestre, contabilizando redução de 20,1%.
 
“O ano de 2014 representou um período desafiador para a Gerdau e a indústria do aço, principalmente pelo elevado excesso de capacidade instalada mundial e pela menor demanda em mercados relevantes, destacadamente no Brasil e nos demais países da América Latina. Por outro lado, conseguimos minimizar os efeitos desse cenário no desempenho operacional da Gerdau. Aprimoramos a performance de nossas operações frente ao difícil cenário, fizemos desinvestimentos em ativos não estratégicos, como a participação na Gallatin Steel, e seguimos sendo seletivos na realização dos investimentos em ativo imobilizado (CAPEX).
Apesar do menor lucro líquido registrado em 2014, nossos esforços de gestão podem ser vistos pela manutenção dos níveis de EBITDA ajustado em 2014 frente ao exercício anterior”, afirma o diretor-presidente da Gerdau, André B. Gerdau Johannpeter.
 
Ao longo de 2014, os reflexos do cenário econômico global foram sentidos em diferentes níveis, de acordo com o segmento de atuação e região geográfica das operações. A operação no Brasil (não inclui usinas produtoras de aços especiais) registrou queda de 5,8% nas vendas para o mercado interno, somando 5,5 milhões de toneladas, em razão da retração econômica no País. As exportações, por sua vez, foram de 1 milhão de toneladas e apresentaram redução de 25,4% em decorrência dos menores preços internacionais e da sobre oferta de aço no mundo.
 
Nos demais países da América Latina (não inclui operações no Brasil), o aumento das importações de aço na região e o menor crescimento econômico geraram 6,6% de queda no volume de vendas, que totalizou 2,6 milhões de toneladas.
 
As operações no Canadá e Estados Unidos (não inclui usinas de aços especiais) comercializaram 6,2 milhões de toneladas, em linha com o ano anterior, devido à manutenção da demanda para o setor de construção não residencial e da indústria. Por outro lado, o mercado norte-americano seguiu sendo impactado pela maior oferta de produtos importados na região.
 
Na operação de aços especiais (inclui usinas no Brasil, Estados Unidos, Espanha e Índia), foram vendidos 2,9 milhões de toneladas, um acréscimo de 1,3% em relação a 2013, influenciados positivamente pelos mercados da Espanha e América do Norte, além da maior contribuição de vendas da operação na Índia. Já a operação de minério de ferro tem se focado especialmente na produção para consumo próprio, o que tem ampliado a competitividade da usina Ouro Branco (MG).
 
Investimentos somam R$ 2,3 bilhões em 2014
 
No exercício, a Gerdau destinou R$ 2,3 bilhões para investimentos em ativo imobilizado (CAPEX), principalmente voltados para projetos em andamento. O montante foi 21% inferior frente ao previsto inicialmente para 2014, em linha com o posicionamento da Empresa, divulgado ao longo do ano, de continuar seletiva na avaliação de CAPEX. No Brasil, o principal investimento foi a obra de instalação de um laminador de chapas grossas na usina Ouro Branco (MG), cujo início de operações está previsto para 2016.
 
No segmento de aços especiais, entraram em operação novos laminador de aços especiais e forno de reaquecimento na usina de Monroe, no Michigan (EUA). Além disso, foi concluída em 2014 a instalação de um novo lingotamento contínuo na usina St. Paul, em Minnesota (EUA). Na joint venture Gerdau Corsa, localizada no México, segue em andamento a construção de uma usina para produção de perfis estruturais. A aciaria já está em funcionamento e a laminação iniciará suas atividades no 1º semestre deste ano.
 
Para 2015, a Gerdau planeja investir R$ 1,9 bilhão em ativo imobilizado (CAPEX), refletindo a situação global do mercado de aço, marcada pelo excesso de capacidade instalada. Além disso, a Empresa seguirá avaliando o cenário econômico e seus impactos no desempenho das operações, de forma a adequar, se necessário, o montante dos investimentos aos movimentos do mercado.
 
Pagamento de dividendos será realizado em 26 de março
 
No dia 26 de março, as empresas de capital aberto Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. pagarão dividendos relativos ao quarto trimestre de 2014. Serão destinados R$ 119,3 milhões para os acionistas da Gerdau S.A. (R$ 0,07 por ação) e R$ 28,4 milhões para os da Metalúrgica Gerdau S.A. (R$ 0,07 por ação). No acumulado do ano, a remuneração aos acionistas da Gerdau S.A. atingirá R$ 426,1 milhões (R$ 0,25 por ação) e da Metalúrgica Gerdau, R$ 117,8 milhões (R$ 0,29 por ação).

X
 
Sobre a Gerdau
 
A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que estão ampliando o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. A Gerdau possui plantas industriais em 14 países – nas Américas, na Europa e na Ásia –, as quais somam uma capacidade instalada superior a 25 milhões de toneladas de aço por ano. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. Com mais de 120 mil acionistas, as ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.
Porto Alegre, 4 de março de 2015.
Assessoria de imprensa – 51 3323-2170
imprensa@gerdau.com.br
www.gerdau.com
 
 
« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail