Gerdau realiza palestra internacional com engenheiro de arenas da Copa

Gerdau está preparada para atender a demanda de aço na construção e melhorias dos estádios, bem como nas obras de infraestrutura necessárias para o País sediar o evento

A Copa do Mundo de Futebol de 2014 representa uma grande oportunidade de modernização dos estádios brasileiros, além da construção de novas praças esportivas e de toda a infraestrutura necessária para realização de eventos desse porte. Para discutir a preparação das arenas brasileiras para a Copa, a Gerdau recebe em São Paulo o engenheiro Knut Göppert, diretor executivo da Schlaich Bergermann und Partner.

A empresa alemã foi a responsável pelo desenvolvimento de 15 projetos de arenas para Copas do Mundo ao longo dos últimos dez anos, incluindo quatro na África do Sul, para a Copa de 2010, e quatro no Brasil: os projetos estruturais para as coberturas do Mineirão, Morumbi e arena de Brasília, além do projeto para as arquibancadas, cobertura e fachada do estádio de Manaus.

“A partir do ano que vem, podemos esperar investimentos mais significativos gerados pela Copa do Mundo e pelas Olimpíadas”, diz Renato Silva Bernardes, diretor de Marketing – Construção Civil da Gerdau. Hoje, a empresa fornece produtos para os grandes projetos em andamento no País, como as hidrelétricas de Estreito e Santo Antônio, o Rodoanel, diversas obras do PAC e o Programa Minha Casa Minha Vida, apresentando soluções adequadas para cada projeto. Os produtos Gerdau também já se encontram nos Estádios do Maracanã, João Havelange (Engenhão), Beira Rio e Arena da Baixada, entre outros.

Cobertura como centro do projeto

“Atualmente, a cobertura é o elemento mais importante na concepção de uma arena esportiva, pois ela permite que o projeto tenha um design único e a identificação visual imediata”, diz Göppert, que atua na Schlaich Bergermann und Partner desde 1989 e é responsável pela maioria dos projetos esportivos do escritório. “No caso do Morumbi, por exemplo, a nova cobertura criará uma atmosfera de estádio internacional, com total proteção aos espectadores, assim como possibilitará transformá-lo em uma arena de eventos para 25 mil pessoas.”

Segundo Göpper, o ritmo da preparação do País para a Copa é bastante similar ao adotado na Alemanha, para a Copa de 2006, e na África do Sul, que sediará o evento em 2010. “Há similaridades nos processos de financiamento, projeto e construção. O processo decisório leva algum tempo, mas estamos confiantes em ver as definições finais sendo tomadas dentro de dois meses e a construção das arenas sendo iniciada em 2010.”

A Schlaich Bergermann und Partner elabora cerca de 60 projetos por ano, não apenas de estádios. A empresa projeta de pontes estaiadas a coberturas e cúpulas em vidro, passando por aeroportos e plantas de energia solar. É do escritório, por exemplo, o projeto da antena a ser instalada no topo de Freedom Tower, edifício que será construído no mesmo local em que ficava o complexo do World Trade Center, em Nova York.

Foco em infraestrutura

Além das arenas, a FIFA considera nove pontos essenciais na preparação do país-sede: mobilidade urbana, portos e aeroportos, hotelaria, energia, telecomunicações, rede hospitalar, saneamento e segurança. Por isso, esses pontos devem concentrar a maior parte dos investimentos para a Copa, segundo expectativas do mercado.

 “A Gerdau está preparada para atender a demanda por produtos em aço para essas obras, oferecendo soluções adequadas a cada projeto”, diz Bernardes. O portfolio da empresa permite atender tanto a projetos que utilizam concreto armado em sua concepção quanto aqueles projetados em estrutura metálica.

Para o concreto armado, a Gerdau conta com seu sistema industrializado de corte e dobra de vergalhões, entregues no formato e tamanho necessários para o cliente, bem como uma série de produtos já prontos para aplicação na obra, como telas soldadas e treliças, que reduzem o desperdício de material na obra e os custos com aço na construção.

O sistema industrializado de corte e dobra e os produtos prontos apresentados pela Gerdau proporcionam reduções de até 15% no gasto com aço, eliminando o desperdício e proporcionando um aumento de produtividade de até 70% no processo de produção das armaduras, o que amplia a velocidade de construção. Os produtos prontos também oferecem mais qualidade, uma vez que são produzidos com alta tecnologia e garantia dimensional.

No caso da construção metálica, a Gerdau é a única empresa no Brasil que produz os perfis estruturais laminados, na usina de Ouro Branco (MG). Os produtos são utilizados tanto na montagem das estruturas quanto nas fundações das obras, com ganhos em termos de resistência, velocidade de construção, peso total e espaço. Os perfis também oferecem melhor custo-benefício, pela facilidade nas emendas e aproveitamento das peças, o que possibilita a redução dos desperdícios.

Para ajudar o construtor a identificar suas necessidades, a Gerdau mantém uma equipe de consultores especializada em buscar, em conjunto com o cliente, os tipos de produtos e serviços mais adequados em seu portfólio, analisando desde os ganhos em custo e produtividade até a melhor logística de fornecimento.

Sobre a Gerdau

A Gerdau é líder na produção de aços longos nas Américas e uma das maiores fornecedoras de aços longos especiais no mundo. Possui presença industrial em 14 países, com operações nas Américas, na Europa e na Ásia, as quais somam uma capacidade instalada superior a 20 milhões de toneladas de aço. É a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, por ano, cerca de 16 milhões de toneladas de sucata em aço. Com mais de 140 mil acionistas, as empresas de capital aberto da Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo (Bovespa: GGBR4, GGBR3, GOAU4, GOAU3 e AVIL3), Nova Iorque (Nyse: GNA, GGB), Toronto (GNA: TO), Madri (Latibex: XGGB) e Lima (BVL: SIDERC1).

Assessoria de Imprensa – (51) 3323-2170
imprensa@gerdau.com.br
www.gerdau.com 
 
Quinta-feira, 8 de outubro de 2009.

 
 
« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail