(DATA ORIGINAL: 28/05/2008) Minas receberá investimentos de R$ 3,2 bi do Grupo Gerdau

Gerdau Açominas investirá R$ 3,2 bilhões na região do Alto Paraopeba, onde estão localizados 24 municípios, entre eles Ouro Branco, Congonhas, Conselheiro Lafaiete e Jeceaba, resultando na criação de 826 empregos diretos e, durante as obras, 6,3 mil posto

O governador Aécio Neves e o presidente do Grupo Gerdau, André Gerdau, assinaram nesta quarta-feira (28), no Palácio da Liberdade, protocolo de intenções que resultará em investimentos de R$ 3,2 bilhões na região do Alto Paraopeba, onde estão localizados 24 municípios, entre eles Ouro Branco, Congonhas, Conselheiro Lafaiete e Jeceaba. Os investimentos serão feitos pela Gerdau Açominas, na expansão das atividades do grupo, resultando na criação de 826 empregos diretos e, durante as obras, 6,3 mil postos de trabalho indiretos, em Ouro Branco.
 
A maior parte dos investimentos estará concentrada na unidade instalada em Ouro Branco, onde R$ 1,2 bilhão será investido na expansão da produção de tarugos, blocos, placas, perfis e fio-máquina. Também serão investidos naquele município cerca de R$ 2 bilhões, destinados à instalação de um laminador de chapas grossas e um laminador de perfis médios. Os municípios de Barão de Cocais e Divinópolis também receberão investimentos da Gerdau, no valor de R$ 8,6 milhões e R$ 16,4 milhões, respectivamente.
 
“Com essa relação de absoluta parceria com a Gerdau, uma confiança consolidada, assistimos ao crescimento e à expansão do grupo, ao mesmo tempo em que assistimos a consolidação de vigorosos investimentos aqui em solo mineiro. É absolutamente compatível, desde que tenhamos responsabilidade, estratégia e confiança mútua, atrair investimentos importantes para garantir o crescimento industrial de Minas, e já somos o Estado que tem o segundo parque industrial brasileiro e o que mais cresce no Brasil”, disse Aécio Neves, em seu pronunciamento.
 
Novo Vale do Aço
 
Os investimentos da Gerdau se somam aos cerca de R$ 170 bilhões de investimentos anunciados para aplicação em Minas Gerais, para o período de 2003 a 2012, em projetos de diversos setores da atividade econômica. Desse total, 12,2% estão concentrados no Alto Paraopeba, num total de R$ 21 bilhões.
 
Também estão em curso, no Alto Paraopeba, investimentos de US$ 1,6 bilhão da Vallourec & Mannesmann e a Sumitomo Metals, para a construção de uma usina siderúrgica, em Jeceaba. A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) iniciou investimento de R$ 9,5 bilhões em projetos de expansão em Congonhas e Arcos.
 
“Não tenho dúvidas de que o Alto Paraopeba caminha para se transformar num novo Vale do Aço, mas agora tendo um diferencial, que é o planejamento do Estado, acompanhando o desenvolvimento das atividades econômicas daquela região”, disse o governador.
 
Aécio Neves afirmou que não faltará por parte do Estado, em todas as suas áreas, a parceria com a iniciativa privada, para que os investimentos sejam feitos o mais rapidamente possível.
 
“Esse ambiente de confiança, de estabilidade, de organização por que passa o Estado, é que possibilitou que tivéssemos a possibilidade de já termos anunciado, nesses pouco mais de cinco anos de governo, cerca de R$ 170 bilhões em novos investimentos. Algo absolutamente inimaginável em qualquer outro tempo da história deste Estado, com todas as decorrências, todas as conseqüências desses investimentos, do ponto de vista da geração de empregos e renda no nosso estado”, afirmou o governador.

Indústria mineira
 
A produção recorde de automóveis no ano passado e o bom desempenho da construção civil contribuíram para as siderúrgicas brasileiras baterem o recorde de produção de aço em 2007. Foram 33,8 milhões de toneladas, sendo que a melhor marca havia sido registrada em 2004, quando foram produzidas 32 9 milhões de toneladas. Em relação a 2006, o crescimento foi de 9,3%.
 
O setor siderúrgico foi um dos segmentos que mais contribuíram para o crescimento de 8,61% da produção industrial de Minas Gerais, em 2007, acima da média nacional, que foi de 6,02% no mesmo período. Por trás desse crescimento está o forte aquecimento da indústria automobilística, que atingiu a marca histórica de crescimento de 9,03% na produção.
 
A indústria mineira tem mantido o ritmo de crescimento em 2008, tendo registrado expansão de 7,3% no primeiro trimestre, diante da média nacional de 6,3% apurada em idêntico período, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
No acumulado de 12 meses, a indústria mineira foi a segunda que mais cresceu, com uma taxa de 9,0%, sendo superada apenas pelo Espírito Santo, que registrou expansão de 9,5%. A média

Sobre a Gerdau
 
A Gerdau é líder na produção de aços longos nas Américas e líder mundial em aços longos especiais para a indústria automotiva. Possui 46 mil colaboradores e tem operações nas Américas, Europa e Ásia, as quais somam uma capacidade instalada de 26 milhões de toneladas de aço. É a maior recicladora da América Latina e, no mundo, reaproveita mais de 18 milhões de toneladas de sucata anualmente. Com mais de 140 mil acionistas, as empresas de capital aberto da Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo (Bovespa: GGBR4, GGBR3, GOAU4 e GOAU3), Nova Iorque (NYSE: GNA, GGB), Toronto (GNA) e Madri (Latibex: XGGB).

Assessoria de Imprensa – (51) 3323-2170
imprensa@gerdau.com.br
www.gerdau.com
 
Quarta-feira, 28 de maio de 2008 
 
 
« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail