Resultados da Gerdau no 2º trimestre

​-  Receita líquida alcança R$ 9,2 bilhões e EBITDA ajustado atinge R$ 1,1 bilhão no 2º trimestre

-  Lucro líquido ajustado, de R$ 147 milhões no 2T17, reverte prejuízo registrado no 1º trimestre

-  Geração de caixa livre chega a R$ 241 milhões no 2º trimestre

- Despesas com vendas, gerais e administrativas (SG&A) caem 27% no 2º trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior

 

A Gerdau encerrou o segundo trimestre de 2017 com receita líquida de R$ 9,2 bilhões, 11% de redução em relação ao mesmo período do ano anterior. Isso se deveu principalmente ao efeito cambial no período sobre as unidades no exterior e à venda das unidades de aços especiais na Espanha. No entanto, quando comparada com o primeiro trimestre de 2017, a receita líquida aumentou 8% pelos maiores volumes vendidos em quase todas as operações de negócio da Empresa.

As vendas físicas consolidadas, por sua vez, apresentaram decréscimo de 13% frente ao segundo trimestre do ano anterior, totalizando 3,7 milhões de toneladas. Em relação ao primeiro trimestre, as vendas evoluíram 3%. A produção de aço, de 4,1 milhões de toneladas, seguiu o comportamento das vendas físicas: queda de 5% sobre o segundo trimestre do ano anterior e expansão de 2% na comparação com o primeiro trimestre.

A geração de caixa operacional (EBITDA) consolidada ajustada chegou a R$ 1,1 bilhão no segundo trimestre, 7% de diminuição perante ao mesmo período do ano anterior, em razão do menor lucro bruto, parcialmente compensado pela redução de 27% nas despesas com vendas, gerais e administrativas.  Apesar do EBITDA ter sido menor no período, a margem EBITDA foi melhor, passando de 11,7% no segundo trimestre de 2016 para 12,2%. Na comparação com o primeiro trimestre de 2017, o EBITDA ajustado cresceu 31%, apresentando melhora em todas as operações. Os destaques foram a evolução de 54% no EBITDA da Operação Aços Especiais perante o primeiro trimestre (inclui usinas produtoras de aços especiais no Brasil, Estados Unidos e Índia), de 49% no EBITDA da Operação América do Norte (inclui usinas produtoras de aços longos no Canadá, Estados Unidos e México) e de 22% na Operação Brasil (não inclui unidades produtoras de aços especiais).

No segundo trimestre, a Gerdau também conseguiu reverter o prejuízo ajustado de R$ 34 milhões gerado no primeiro trimestre, alcançando lucro líquido consolidado ajustado de R$ 147 milhões, o que se deve pelo maior EBITDA gerado no período. Neste trimestre, o lucro líquido foi ajustado pela perda registrada em razão da desconsolidação da operação da Colômbia no balanço, a qual passou a ser considerada uma empresa de controle compartilhado a partir de junho, com conclusão da venda de 50% de participação na Gerdau Diaco para Putney Capital Management.

"A melhora do nosso desempenho frente ao primeiro trimestre se deve à recuperação de nossos principais mercados e aos esforços de gestão que seguem em curso em todas as operações. No período analisado, conseguimos reverter o prejuízo, gerar fluxo de caixa livre positivo, reduzir despesas e manter estável o nível de endividamento. Ao longo dos próximos trimestres, continuaremos trabalhando para melhorar a nossa performance, buscando ampliar a rentabilidade e a geração de valor para nossos acionistas", afirma o diretor-presidente (CEO) André Gerdau Johannpeter.

Ao longo do segundo trimestre, as vendas físicas para o mercado interno brasileiro (não inclui as unidades produtoras de aços especiais) somaram 871 mil toneladas, impactadas pelo menor nível de atividade da construção civil. Apresentaram 13% de queda em relação ao mesmo período do ano anterior e, em relação ao primeiro trimestre, mantiveram-se estáveis. As exportações a partir do Brasil, por sua vez, alcançaram 510 mil toneladas, 18% a menos em relação ao segundo trimestre de 2016 e 24% superior frente ao primeiro trimestre deste ano.

As operações no Canadá, nos Estados Unidos e no México (não inclui usinas de aços especiais) comercializaram 1,6 milhão de toneladas no segundo trimestre de 2017, apresentando queda de 5% na comparação com o mesmo período do ano e estabilidade em relação ao primeiro trimestre de 2017, em razão da forte pressão da entrada de produtos importados na região.

Já as unidades nos demais países da América do Sul (não inclui Brasil) contabilizaram 441 mil toneladas vendidas, patamar 17% menor frente ao segundo trimestre de 2016, devido, principalmente, às menores vendas na região e à desconsolidação da operação da Colômbia, conforme já mencionado.

As vendas realizadas pela Operação de Negócio Aços Especiais (inclui usinas no Brasil, nos Estados Unidos e na Índia), por sua vez, totalizaram 512 mil toneladas, uma queda de 14% frente ao segundo trimestre de 2016, especialmente pela venda das unidades na Espanha. Já na comparação com o primeiro trimestre de 2017, as vendas evoluíram 16% em razão dos maiores volumes comercializados em todos os mercados, com destaque para a melhoria do setor automotivo no Brasil.

Investimentos totalizam R$ 195 milhões no segundo trimestre

No segundo trimestre, foram investidos R$ 195 milhões em ativo imobilizado (CAPEX). Do total desembolsado, 33% foram destinados para a Operação Brasil, 34% para as unidades na América do Norte, 19% para as plantas dos demais países da América do Sul e 14% para a Operação Aços Especiais.

Na Argentina, no mês de junho, a Gerdau iniciou a produção de sua nova aciaria na cidade de Pérez, localizada a 6 km da usina de laminação que já possuía na região. O investimento de R$ 786 milhões (US$ 232 milhões), iniciado em 2014, foi concluído este ano. A capacidade instalada da aciaria é de 650 mil toneladas ano e o foco é o atendimento da demanda do mercado interno.

Pagamento de dividendos da Gerdau S.A. será realizado em 1º de setembro

No dia 1º de setembro, a Gerdau S.A., com base nos resultados obtidos no segundo trimestre de 2017, pagará́ dividendos em antecipação ao mínimo obrigatório estipulado no Estatuto Social. Serão destinados R$ 34,2 milhões para os acionistas da Gerdau S.A. (R$ 0,02 por ação).

« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail