Receita líquida da Gerdau alcança R$ 10,2 bilhões no segundo trimestre de 2016

- Vendas físicas, EBITDA e lucro líquido da Gerdau apresentam melhora expressiva no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre de 2016.

- Fluxo de caixa livre, uma das prioridades da gestão financeira da Gerdau, atinge R$ 807 milhões no segundo trimestre, decorrente da maior geração de EBITDA, da redução de Capex e da diminuição do capital de giro frente ao primeiro trimestre de 2016.

- Dívida líquida apresenta redução de R$ 2,4 bilhões de março para junho de 2016, permitindo a melhora do indicador dívida líquida/EBITDA, que caiu para 3,6 vezes.


A receita líquida da Gerdau no segundo trimestre de 2016 atingiu R$ 10,2 bilhões, uma redução de 5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Essa redução se deveu principalmente pelos menores volumes de venda de aços longos e aços especiais no mercado interno brasileiro e da venda da operação na Espanha, a qual foi consolidada no balanço até o mês de maio. No entanto, na comparação com o primeiro trimestre de 2016, a receita líquida consolidada da Gerdau aumentou 2%, decorrente dos maiores volumes vendidos em quase todas as suas operações.

As vendas físicas consolidadas, por sua vez, apresentaram estabilidade frente ao segundo trimestre do ano anterior (-1%), totalizando 4,2 milhões de toneladas. Em relação ao primeiro trimestre, as vendas tiveram evolução de 10%. De abril a junho, a produção de aço foi de 4,3 milhões de toneladas, uma queda de 3% sobre o mesmo período do ano anterior, enquanto que na comparação com o primeiro trimestre houve expansão de 4%.

Mesmo diante de um cenário desafiador, a geração de caixa operacional (EBITDA) consolidada ajustada, que exclui o efeito não caixa da venda da operação na Espanha, chegou a R$ 1,2 bilhão, mantendo-se estável (+1%) em relação ao mesmo período do ano anterior, sustentada pela redução de 9% das despesas com vendas, gerais e administrativas no período e pela maior contribuição das empresas associadas e com controle compartilhado no balanço. Na comparação com o primeiro trimestre de 2016, o EBITDA cresceu 29% e houve uma melhora na margem EBITDA de todas as operações. No segundo trimestre, os destaques foram a evolução do EBITDA de 62% na Operação Brasil (não inclui unidades de aços especiais) e de 53% na Operação Aços Especiais (inclui usinas produtoras de aços especiais no Brasil, Estados Unidos, Índia e Espanha até maio) frente ao primeiro trimestre de 2016.

Desconsiderando o efeito não caixa da venda da operação na Espanha, o lucro líquido consolidado ajustado foi de R$ 184 milhões, apresentando 31% de diminuição frente ao segundo trimestre de 2015. Porém, quando comparado com o primeiro trimestre de 2016, o lucro líquido ajustado evoluiu significativamente devido ao melhor resultado operacional.

"Nosso esforço de gestão, em todas as operações, está gerando ganhos imediatos à Empresa e que já se refletem em nosso balanço. Conseguimos, no trimestre, alcançar um expressivo fluxo de caixa livre, reduzir o nível de endividamento e de investimentos, assim como gerar mais resultado. Esse desempenho demostra que a Gerdau está se reinventando e seguindo as prioridades estabelecidas para 2016, de gerar mais valor de mercado e ampliar a competitividade das operações. Um destaque nesse sentido é a inovação digital que estamos implementando em nossas operações, com a utilização de novas tecnologias, o que está gerando rapidamente ganhos de eficiência e de produtividade", afirma André B. Gerdau Johannpeter.

Um exemplo das iniciativas de inovação desenvolvidas pela Empresa é o projeto Usina Digital em andamento nas usinas de aço e de mineração da Gerdau no Brasil e em fase-piloto na América do Norte. A iniciativa tem promovido a otimização dos processos industriais por meio do uso de mobilidade e de aplicativos nas atividades de reciclagem de sucata, gestão da aciaria e da laminação e logística, entre outros.

Ao longo do segundo trimestre, o desempenho das vendas apresentou comportamentos distintos nas regiões onde a Gerdau atua. No Brasil, as vendas para o mercado interno (não inclui as unidades produtoras de aços especiais) foram impactadas pelo menor nível de atividade da construção civil e da indústria, caindo 8% em relação ao mesmo período do ano anterior. No entanto, para compensar o menor desempenho no mercado interno, 622 mil toneladas de aço foram exportadas, uma evolução de 30% frente ao segundo trimestre de 2015. Já em relação ao primeiro trimestre deste ano, tanto as vendas para o mercado interno (+12%) quanto as exportações (+18%), apresentaram aumento, decorrente, respectivamente, da sazonalidade no período comparado e da melhora dos preços internacionais do aço no início de 2016.

As operações no Canadá, nos Estados Unidos e no México (não inclui usinas de aços especiais) comercializaram 1,6 milhão de toneladas no segundo trimestre de 2016, mantendo-se em linha com o mesmo período do ano passado. Já as unidades da América do Sul (não inclui Brasil) contabilizaram 532 mil toneladas vendidas, patamar 3% menor frente ao segundo trimestre de 2015. As vendas realizadas pela Operação de Negócio Aços Especiais (inclui usinas no Brasil, nos Estados Unidos, na Índia e na Espanha), por sua vez, totalizaram 595 mil toneladas, uma queda de 15% frente ao segundo trimestre de 2015, especialmente pela alienação das unidades na Espanha e pela readequação dos níveis de estoque no Brasil.

 

Investimentos da Gerdau alcançam R$ 326 milhões no segundo trimestre

No segundo trimestre, foram investidos R$ 326 milhões em ativo imobilizado (CAPEX), menor patamar de desembolso da Empresa desde 2010. Um dos principais investimentos é o novo laminador de chapas grossas, com capacidade instalada anual de 1,1 milhão de toneladas, que já entrou em operação na usina Ouro Branco (MG), conforme previsto. Dessa forma, a Gerdau está expandindo sua linha de produtos no segmento de aços planos e atendendo novos nichos de mercado. As chapas grossas são utilizadas nos setores da construção civil, óleo e gás, naval, energia eólica, rodoviário, máquinas e equipamentos, entre outros. Já na Argentina, as obras da nova aciaria estão em fase avançada e os testes operacionais da planta iniciam em dezembro. A capacidade instalada da nova unidade será de 650 mil toneladas por ano e o foco será o atendimento do mercado interno.

Para o exercício de 2016, a previsão de desembolso de CAPEX continua de R$ 1,5 bilhão, 35% abaixo do realizado em 2015. O foco dos investimentos será a melhoria de produtividade e manutenção.

 

Pagamento de dividendos da Gerdau S.A. será realizado em 2 setembro

No dia 2 de setembro, a Gerdau S.A., com base nos resultados obtidos no segundo trimestre, pagará antecipadamente o dividendo mínimo obrigatório. Serão destinados R$ 51,5 milhões para os acionistas da Gerdau S.A. (R$ 0,03 por ação).


​Sobre a Gerdau 

A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que ampliam o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

« Back
De
Nome
Para
Nome
E-mail